Uma Breve Retrospectiva
Dias bons, dias ruins, dias mais ou menos.
O ano é assim, passamos por inúmeros momentos ruins que preferimos esquecer. Outros tantos são bons. Estes queremos relembrar a toda hora, se possível, vivê-los de novo. Há dias que passam como se não existissem; esses são os mais ou menos.
O Canto da Ema teve dias de todos os modos.
Dias tristes, geralmente foram aqueles em que a casa não abriu. O salão ficava, mudo, sem ninguém para dançar, cantar rodopiar. Nas paredes ninguém beijando, nos bares ninguém bebendo. A arquibancada vazia, parecia dura e desconfortável. Tudo parecia muito grande e frio. Quieto mesmo. O chão limpo, extremamente regular, com um quadrado exatamente igual ao outro parecendo um jogo de xadrez, alias numa quietude tão chata como de um jogo de xadrez, ainda mais sem jogadores.
Teve um dia com gente que estava ótimo e ficou ruim: foi uma briga. Alguém que não devia estar lá, por que não tinha nada com o forró, com o Canto da Ema, com os freqüentadores e com nada de bom, inventou de sair dando pernada pelo salão afora. Foi um dia ruim, mas foi um, que passou...
É provável que tenhamos tido alguns dias mais ou menos. Dias em que, por um motivo ou outro, a casa estava tranqüila demais, em que o publico não se animou, a banda não caprichou e as coisas passaram. Passou a noite e era como se não tivesse passado.
Não lembro de algum dia assim, mas deve ter acontecido.
Dias bons foram os dias em que a casa abriu e as coisas andaram como deveriam. Dias cheios de festa, alegria e dança. Dias de risada, de papo ao pé do ouvido, de bebida gelada e gente contente.
Dias como as quartas de Virgulino, que sempre acabaram como se fossemos todos super fantásticos amigos.
Dias como as quintas que variavam entre tantos e tão bons forrozeiros de diferentes formas e jeitos, que ficávamos aguardando quem viria e, era sempre muito bom.
Dias como as sextas em que se tu quisesse você dançava, rodava, beijava, cantava...e ficava Feliz de Novo.
Dias como o sábado em que as pessoas pareciam querer se embebedar ao som das sanfonas, primeiro de Chiquinho e agora do jovem Clayton e ainda ficava apaixonado por você, por eles e por quem mais aparecesse, de tão bom que era.
Dias bons também foram as Domingueiras, cheias de gatos e gatas, que passavam rápido com um tiro de Bodoque e logo queríamos mais. Mas aí chegavam as três últimas...
Tivemos dias memoráveis e não foram poucos.
Dias de comemorar o aniversario de Dominguinhos e também de recebê-lo no Canto cheio de bandas e amigos. Um dia lindo em que esse mesmo Dominguinhos serviu de apresentador para seu amigo e genial compositor João Silva.
Teve reunião de vozes, uma mais linda que a outra e, quando menos esperávamos a outra era mais linda que a uma e, no fim, foram todas maravilhosas.
Dias como o do lançamento do CD do Trio Sabiá em que, através de imagens, pudemos ver e sentir toda a trajetória de um dos melhores e mais antigos Trios de forró de São Paulo. Dias como o do lançamento de Arleno Farias, sempre virtuoso, sempre talentoso, sempre diferente.
Teve o aniversario de Canto da Ema, em que inúmeros músicos e pessoas compareceram e todos ficaram muito felizes juntos.
Dias como o da festa junina em que fomos alegrados por uma argentina metida a caipira ou uma caipira portenha que fez com que a casa tivesse dois túneis, (quase tão grandes quanto os da Marta).
Dias como o do lançamento do CD do Canto da Ema; já nem acreditávamos mais que esse dia acontecesse e aconteceu. Gostoso, simples e deixando uma felicidade imensa de termos Sabiá, Virgulino, Arleno, Araripe mais uma saudade danada do Triângulo Caraíva e Caruá.
Dias de encontros engraçado de Bando de Bixos e Pés de Maria ou ainda de Fred Farias e Arleno Eça, Miltinho Farias, e Arleno Edilberto, ...., etc.
Por fim, tivemos um ultimo dia inesquecível, com a casa lotada, presença maciça de todos nossos quase inquilinos, aqueles que estão coma gente 3, 4, 5 dias por semana.
A casa lotada e uma sinergia de alegria por todo o salão.
Foi um ano bom e queremos agradecer demais a todos os funcionários, bandas e freqüentadores e dizer a todos que teremos pela frente dias bons, mais ou menos e ruins... mas NÃO SE AVEXE, qualquer coisa corra para cá, venha para o Canto da Ema.
Bom 2005 a todos.
Paulinho Rosa  (Jan/2005)