REI MOMO E REI DO BAIÃO LADO A LADO
Desde o primeiro ano achávamos a idéia boa, mas nunca imaginamos que tão rápido virasse o sucesso que se tornou.
Estamos apenas no terceiro ano e, lembrando o que aconteceu em 2015 e já projetando o que vai acontecer este ano, baseados nas ligações, e-mails e mensagens através de nossa página nas redes sociais, temos já a certeza de que teremos um grande desfile este ano.
Mas por que um bloco de forró?
A proposta, como a maioria das coisas que fazemos aqui no Canto da Ema, vem da paixão e da vontade imensa de que o ritmo se popularize e ganhe o espaço que merece. O Forró é delicioso, não apenas o ritmo e a música, mas um conjunto de coisas que traz consigo e nos faz apaixonar: ambiente, possibilidade de fazer amigos, diversão, cultura e etc. Além disso, é também um dos ritmos que marca nossa identidade nacional e por isso ganhar espaço, aparecer e ter a chance de dividir essa experiência é sempre muito importante e gostoso.
Ha 4 anos atrás, em uma semana de pré carnaval aqui em São Paulo, topei com o Bloco "Trupica Mas Não Cai". Eu, um apaixonado declarado do carnaval de Olinda sempre tive descrença quanto ao carnaval paulista, mas eis que esse encontro fortuito mudou radicalmente minha opinião. O que vi pelas ruas deliciosas da Vila Madalena foi um bloco de porte pequeno/médio caminhando com alegria e muita tranquilidade cantando marchinhas lindas de carnaval, com um povo pra lá de animado, muitos até fantasiados, seguindo em frente com a determinação dos discípulos de Momo.
A imagem me ficou na cabeça, o som no ouvido e aquele conjunto de coisas no coração, mas meu coração é forrozeiro e rapidamente pensei: Não podemos ficar fora disso tudo. Desse encontro casual surgiu o "A Ema Gemeu de Canto a Canto".
A construção do bloco foi baseada na minha vivência olindense; copiei descaradamente as cores do "Eu Acho É Pouco" do carnaval de lá e ainda mandamos fazer dois bonecos em Olinda com as figuras dos nossos ídolos: Dominguinhos e Luiz Gonzaga; chamamos dois caras bem "sem vergonhas" para puxar o bloco, Trio Dona Zefa e Trio Bastião, com Danilo e Chã, até então o cantor da banda, e fomos pra rua.
Se o primeiro ano foi de aprendizado, o segundo serviu para a graduação. Não que agora saibamos tudo, mas no desfile de 2015 tudo correu tão bem que parece termos entendido essa engrenagem. A coisa toda se resume a boa música, muita alegria, cor, despojamento e uma certa ajuda de São Pedro que manteve o tempo firme até onde precisávamos e nos deu de presente uma tempestade na apoteose. A propósito, já conversamos com ele e o script deve seguir o mesmo padrão.
Adoramos a idéia de um bloco pequeno, mais aconchegante e perto do povo, como deve ser o carnaval democrático. Seguiremos na mesma linha, um pequeno carro de som e a mesma alegria. Pra que tudo funcione, será fantástico ter os foliões forrozeiros conosco, pois o sucesso vem dessa coisa junta, da comunidade, da tribo, daqueles que reconhecem a delícia de brincar o forró.
Este ano teremos mais 3 blocos de forró, inspirados ou não no nosso exemplo pioneiro, a realidade é que vai ser muito bom ter mais e mais forró ocupando as ruas e avenidas da cidade com o ritmo que amamos.
O "A Ema Gemeu de Canto a Canto" já tem tudo preparado: carro de som tinindo, Dona Zefa ensaiado, camisetas à venda e uma preparação muito cuidadosa dos bonecos. No bloco, a brincadeira é livre e gratuita. Quem quiser comprar a camiseta será ótimo, afinal ela é linda, tem as cores do bloco e ajuda a diminuir a despesa com o carro de som, músicos e da própria camiseta; se não quiser comprar, sugerimos que venha de vermelho e amarelo, se nem isso for possível venha de qualquer jeito, pois carnaval é festa do povo, é festa de rua, é democrática e em cidade multicultural o Rei Momo dá espaço ao rei do baião!
Paulinho Rosa   (Jan/2016)