Gonzaga Decolou!
Tava difícil. Parecia que nem mesmo o centenário faria com que Luiz Gonzaga reaparecesse da maneira grandiosa como merece no cenário da cultura brasileira.
Mas, ao que tudo indica, finalmente, chegando perto de 13 de dezembro, data em que ele nasceu e que virou o dia nacional do forró, as pessoas, mídia e o Brasil todo se apercebeu da importância e da genialidade do nosso sertanejo mais famoso.
É bem verdade que a Globo tem uma parcela importante nisso tudo, pois fez no seu programa dominical o Fantástico uma bonita e tocante homenagem a Gonzagão, com participação de várias pessoas, entre elas: Dominguinhos (que dispensa apresentações) e Chambinho do Acordeon, este bom músico e recente ator que interpretou magistralmente o próprio Luiz Gonzaga no filme "Gonzaga de Pai Pra Filho".
Por falar no filme, este é o outro papel importante da Globo, pois, junto com a Conspiração Filmes, foi ela que elaborou e executou o projeto do filme dirigido por Breno Silveira a partir do livro Gozagão e Gonzaguinha de Regina Echeverria.
E, quando a Globo faz, dá um jeito para que as coisas funcionem, ou seja, ela faz questão que o filme emplaque e nisso está colocando toda a força possível. Nem era necessário tanto esforço, pois o filme é ótimo. Um outro exemplo da disposição que a Globo está tendo foi o programa da Fátima Bernardes, inteiramente dedicado a Gonzaga, com um show com participação do Chambinho do Acordeon e do Falamansa, no qual nossos porta vozes foram fantásticos!
Voltando ao livro e ao filme, ambos caminham juntos na direção de desvendar a relação pai e filho de Gonzagão e Gonzaguinha, assim como o Canto da Ema e os demais forrós vêm há anos trabalhando para que a memória desse importante menestrel, que é Luiz Gonzaga, se perpetue para as diversas gerações de brasileiros.
Se o filme vem ajudando a fazer finalmente decolar o centenário do Gonzaga, aqui, em nosso Cantinho fazemos com que ele se mantenha no ar sempre, tocando suas músicas, reverenciando sua foto, recordando seus sucessos, suas palavras e ensinamentos, seja na voz de seu principal discípulo e sucessor que é Dominguinhos, seja na voz dos mais recentes seguidores do Rei do Baião. Que, aliás, não são poucos e têm muito talento!
A proporção de pessoas que passarão a conhecer a obra de Gonzaga através do filme e posteriormente da minissérie sobre ele que estreará em janeiro na Globo, será enorme e, mais uma vez, a chance de aproveitarmos a maré e tentarmos estabelecer o forró em um patamar digno de sua importância e relevância na cultura brasileira. Quem sabe, ao contrário do que desejam alguns que odeiam as coisas populares, poderemos até virar "modinha" de novo e isso será ótimo.
Pois, foi justamente através da última "modinha" que tantos e tantos novos grupos de forró foram se formando. Sem contar com o potencial de criar novos amantes do ritmo que para todos - donos de casa, músicos, Djs e mais uma infinidade de pessoas que direta ou indiretamente trabalham com o ritmo -, acabem lucrando com o fato, pois quanto mais pessoas, mais possibilidade de diversidade teremos, mais espaço para tocar, mais espaço na mídia, mais patrocínios e produções do gênero aparecerão.
Por isso tudo estamos felizes com a decolagem do centenário, afinal o cenário passa a ser promissor, além de resgatar a obra de Gonzaga e colocar onde ela merece estar.
Os ventos parecem soprar em nossa direção e é hora de aproveitar. Receber bem os novos potenciais forrozeiros e mostrar o que temos de melhor: a música, a dança, a espontaneidade natural dos locais onde o forró acontece e, sobretudo, não criar "panelinhas" excludentes, separando os forrozeiros tradicionais daqueles que vêm conhecer o ritmo pela primeira vez.
O centenário de Gonzagão está decolando, na voz e imagem de Chambinho do Acordeon e de todos os que estão preparados para esta nova onda.
Para quem ama o forró a notícia não poderia ser melhor!
Paulinho Rosa  (Nov/2012)