Clássicos de uma Aldeia Chamada Forró
Tem coisas que já nascem tradicionais e se tornam clássicos antes mesmo de serem maciçamente conhecidas, mas que por características muito próprias já atingem um patamar que as coloca na posição de serem relembradas eternamente.
A maioria do que chamamos de clássico, entretanto, ganham tal fleuma com o tempo.
O que antes era brega pode hoje ser um clássico. O que era popularesco pode virar um clássico. Algo que não gostamos quando lançado imediatamente, com o passar do tempo e a saudade nostálgica que provoca naqueles mesmos que antes repudiavam, acabam por se tornar verdadeiros clássicos.
Existem coisas que já surgem como clássicos, nossos sentidos já as identificam como "companheiras" eternas do nosso paladar, sejam ele de qual for. O tempo, neste caso, apenas corrobora com essa obviedade.
Algumas obras conseguiram se tornar símbolos de uma época e espelhos de uma geração logo no lançamento, isso pela qualidade, tema ou consequências comportamentais relacionadas diretamente à obra em questão.
O FORRÓ é recheado de clássicos de todos os tipos, sejam daqueles que de cara já se tornaram como, por exemplo, "Asa Branca" ou de outros que precisaram do tempo para se firmar, casos dos artistas menos populares e que hoje são cultuados como grandes nomes.
Aqui em São Paulo temos um dos maiores clássicos atuais do forró entre tantos outros candidatos a tal honraria. Falo de um trio que é responsável direto pelo que hoje as pessoas adoram chamar de "forró universitário", mas é, principalmente, o condutor de todo um movimento que se iniciou no começo dos anos 90 e que hoje ecoa por quase todo o país e por que não dizer por todo o mundo.
Numa equação aritmética é fácil perceber que de algum modo toda gente, seja em primeira, segunda ou terceira geração, foi influenciada pelo TRIO VIRGULINO. A explicação é muito fácil: O TRIO VIRGULINO influenciou um monte de garotos que formaram vários trios e bandas, até ter inspirado um rapaz chamado Tato, que formou uma banda chamada FALAMANSA, que influenciou o BRASIL todo.
Hoje, quer queiram quer não, todo mundo que começou a frequentar forró de 2000 pra cá é "filho" do FALAMANSA e de 1991 até os dias de hoje é neto do TRIO VIRGULINO.
É bem verdade que essa influência sobre músicos deve ser principalmente no Sudeste, mas o alcance do "Rindo à Toa" e "Xote dos Milagres", dois clássicos, foi de tamanha dimensão, que até jovens nordestinos, verdadeiro berço do ritmo, devem ter se animado a voltar ao forró que o próprio Nordeste havia deixado de lado.
Voltando principalmente a falar da Bahia para baixo: sabemos bem que tem muita gente que foi influenciada por diversas outras bandas. Pensando bem, tem até muitos exemplos daqueles que não gostam e nem nunca gostaram das duas bandas citadas (FALAMANSA e TRIO VIRGULINO), mas até estes foram, mesmo que indiretamente, capturados pelo ritmo por algum outro trio ou banda que se originou fruto do sucesso e influência, sobretudo do Trio Virgulino, ainda mais se lembrarmos que o no inicio desse movimento fora no extinto Projeto Equilíbrio.
É bem verdade que nessa época já existiam vários outros trios e bandas de excelente qualidade, a maioria com muito talento, boa comunicação com o público e boas músicas, mas, nem sei explicar o motivo correto, nem sei se é explicável, o carisma do Trio Virgulino falava mais alto e até o Projeto Equilíbrio era chamado quase sempre de Forró do Virgulino, mesmo em dias que eles não tocavam e mesmo sendo, muitas vezes, dias mais cheios que os próprios dias em que o TRIO VIRGULINO era a atração. Coisas de clássicos.
Tudo isso demonstra o porquê o Trio Virgulino é realmente um exemplo de clássico, tal qual outros clássicos da cidade, como o Filé do Moraes, o Gallery em seu tempo, o Madame Satã, o Samba da Vela e por aí vai. São todos símbolos da cidade, de uma cidade que é um mundo cheio de microcosmos, que alguns preferem chamar de aldeias e nessa aldeia, a do forró, o cacique principal é o Trio Virgulino.
Obs. - Alguns vão perguntar sobre Dominguinhos, mas falar dele é uma outra história. Aqui neste momento falamos de clássicos e não daqueles incomparáveis. Dominguinhos influenciou a todos posteriores a ele e até alguns contemporâneos, inclusive o Trio Virgulino, assim como Luiz Gonzaga o fizera antes com ele. Dominguinhos sempre pairou sobre o movimento como influência constante, mas nem sempre com a presença cotidiana das bandas em questão.
O movimento a que nos referimos teve sim, como personagem principal, o Trio Virgulino!
Paulinho Rosa  (Abr/2012)